standvirtual.com Vender Veículo

Chinesa Geely usa plataforma Volvo para conquistar o mundo

Chinesa Geely plataforma Volvo conquistar mundo

Quando, há uma década, a chinesa Geely, que no seu currículo tinha o facto de ter sido a primeira construtora de automóveis independente da China, fundada em 1986, comprou a sueca Volvo, um emblema europeu conceituado e com uma história que atravessou a maior parte do século XX, o mercado global tremeu. Afinal, aquilo que a maioria julgava difícil estava a acontecer: uma marca chinesa, graças a um investimento de 1800 milhões de dólares (1520 milhões de euros), estava a conquistar terreno num negócio que, até então, tinha estado vedado a qualquer companhia proveniente daquele país.

Mas, praticamente nada aconteceu. A Volvo reinventou-se, aproveitando a entrada de capital do Zhejiang Geely Holding Group Co., Ltd, e a maioria esqueceu-se que por detrás do crescimento dos suecos estava uma empresa chinesa que também construía os seus próprios automóveis.

Até que, agora, a Geely deitou as garras de fora: anunciou que planeia utilizar uma plataforma desenvolvida com o contributo da Volvo para construir novos modelos na Malásia para a sua marca Proton e, dessa forma, tornar-se o primeiro gigante automóvel global da China. Em simultâneo, o projeto da Geely inclui a renovação das fábricas na China, mas também noutras localizações, onde passará a utilizar as plataformas que tem vindo a aperfeiçoar com a Volvo desde 2013.

Artigo relacionado: Conheça as principais marcas automóveis chinesas

Mesma plataforma, carros mais baratos

Baixar o custo dos automóveis tem sido o objetivo da Geely – é que, mais do que a qualidade de construção ou os features de segurança, uma grande fatia do mercado chinês privilegia o preço do carro. Mas a Geely queria isso e muito mais; queria ombrear com as marcas globais e, para tal, sabia que tinha de oferecer pelo menos o mesmo que elas.

Assim, optou por desenvolver plataformas modulares que lhe permitem construir diferentes tipos de automóveis com uma mesma solução. Ou seja, a existência de módulos permite a utilização de uma grande parte de componentes comuns, mesmo em veículos de segmentos diferentes, o que diminui radicalmente o custo de produção. Em conjunto com a Volvo, a Geely dispõe agora da Arquitetura Modular Compacta (CMA) e da Arquitetura Modular do Segmento B (BMA) que irá colocar ao serviço da Proton, aproveitando as tecnologias do fabricante sueco.

“O CMA será o núcleo do futuro design da arquitetura da Geely”, confirmou o vice-presidente do Geely Automobile Research Institute, numa entrevista à agência Reuters. Parece pouco, mas a ambição do objetivo da marca é enorme, sobretudo se se tiver em conta que a China é o maior mercado automóvel do mundo, responsável por quase um em cada três automóveis de passageiros vendidos em todo o planeta.

Além disso, o mesmo responsável, um engenheiro cuja carreira passou pela Ford, avançou que está a ser desenvolvida uma nova arquitetura para acelerar o lançamento de veículos 100% elétricos e com um elevado nível de autonomia de condução.

Primeiro, a China. Depois, o mundo?

Conquistar uma posição predominante no mercado automóvel chinês é uma ambição assumida pela Geely, mas os planos parecem ser bem mais arrojados, estando atualmente em conversações para fundir o negócio da Volvo Cars com a Geely Automobile, empresa cotada em Hong Kong, com um valor de cerca de 22 mil milhões de dólares (18.570 milhões de euros). Além disso, o grupo, liderado pelo multimilionário Li Shufu, agrega uma participação maioritária na marca britânica de automóveis desportivos Lotus e uma pequena, mas significativa, fatia de 9,7% na Daimler AG.
 

Procura um carro elétrico? Veja os modelos disponíveis no Standvirtual

 
Enquanto isso, em Taizhou, na província de Zhejiang, a 300 quilómetros sul de Xangai, a primeira unidade de produção conjunta Geely/Volvo, de onde saem os elétricos Polestar 2 para os Estados Unidos e Europa, já se começam a delinear estratégias para que as próximas gerações de alguns modelos populares existentes, como o Borui e o Emgrand, assentem nas plataformas modulares. E ainda este ano é bem possível que a Europa oiça um pouco mais sobre a Geely, com a chegada do SUV Lynk & Co 01, fabricado na China.


Leia também:

 

Redes sociais:
Dúvidas no Standvirtual?

Aceda à secção de Ajuda

210 738 088 * * Dias úteis das 09h às 18h