standvirtual.com

O Nº 1 em Carros
Vender Veículo

Vale a pena importar carros eléctricos?

saiba tudo sobre importar carros eléctricos

Em Portugal, importar carros é uma práctica recorrente, fruto da menor carga fiscal noutros países. Mas será que vale a pena importar carros eléctricos?

Segundo a ACAP (Associação Automóvel de Portugal), no nosso país,  1 em cada 3 veículos vendidos em 2017 foi um carro usado ou importado e com uma idade média superior a 5 anos.

Em 2016, o governo português contemplou no orçamento de estado uma redução do ISV para os veículos importados, “oferecendo” descontos acrescidos nos carros entre 5 e 10 anos de idade, o que motivou um boom de carros estrangeiros a chegar a terras lusas.

A verdade é que importar um carro, na sua generalidade, compensa, sobretudo quando se tratam de carros com alguma idade, a gasóleo ou gasolina.

Mas, quando se trata de importar carros eléctricos, será que também compensa? Como funciona a lei? Saiba tudo.

Será que compensa importar carros eléctricos? A resposta já a seguir


documentos e custos para importar carros eléctricos

Primeiro, quais são os custos de importar um carro?

Quando importa um carro, independentemente do tipo de motorização, existem sempre custos fixos associados a este processo.

Depois, dependendo do tipo de combustível, da cilindrada ou emissão de gases poluentes ou idade, os carros podem ser taxados de diferentes formas.

No entanto, existem alguns benefícios fiscais quando se trata de carros que produzem 0 emissões de gases poluentes.

Se trouxer um carro de um país membro da união europeia, para além do custo do transporte, terá que somar a estes valores os custos da taxa de matrícula, uma inspecção de tipo B e um novo documento único automóvel.

Quanto ao transporte, se comprar um carro no estrangeiro tem 2 opções: ou envia o veículo num transporte especializado (que tem um custo médio de 500€), ou vem com o veículo a rodar.

Caso opte pela segunda opção, ao valor da viagem de ida, às portagens e ao combustível, terá que somar também o valor do seguro e matrícula temporária para cobrirem qualquer percalço que, eventualmente, possa acontecer durante a viagem. Somando todos estes valores, as despesas rondarão os 400€.

Quando o carro chega a Portugal, iniciam-se todos os tramites legais para registar o veículo no nosso país, começando pela taxa de matrícula.

Matricular um veículo importado no nosso país pode variar entre 45€ e 205€, dependendo se possui consigo a factura da compra do carro no país de origem, o certificado de matrícula da viatura anterior e o certificado de conformidade europeu.

Para que um carro importado esteja legal em Portugal, terá que ser submetido a uma inspecção de tipo B, em qualquer centro IPO. Esta inspecção tem o custo fixo de 76,25€, é semelhante àquela a que os veículos acidentados e reconstruídos são submetidos e serve para o centro IPO se certificar que o veículo está em conformidade e seguro para circular nas estradas portuguesas.

Por último, mas não menos importante, terá que emitir um novo documento único automóvel, em seu nome, que terá o custo de 55€.

No total, importar um carro custar-lhe-á cerca de 800€, no que diz respeito a “papelada”. Isto, apenas, quando falamos de carros importados de outros estados membros da união europeia. Contudo, existe um imposto que ainda não mencionámos e que lhe pode ser imputado: falamos do IVA.

A taxa de IVA, num carro importado, apenas pode ser aplicada quando se trata de um carro novo e por novo entenda-se com menos de 6 meses ou 6.000km. Nestes casos, mesmo que pague o IVA no país de origem, terá que pagar o ajuste para ser taxado aos 23% da lei portuguesa.

Se o carro tiver mais de 6 meses ou tiver percorrido mais de 6.000km, a lei europeia em vigor impede a dupla tributação entre estados membros e poderá optar por apenas pagar o IVA no país de origem da viatura, o qual será, seguramente, bastante inferior à taxa de IVA portuguesa.

Caso a transacção seja feita entre particulares, as duas partes estão isentas da tributação do imposto sobre valor acrescentado.

Mas, afinal, o que difere entre importar um carro a gasolina, diesel ou híbrido ou importar carros eléctricos?

Importar carros elétricos: vantagens

Para além de todas as despesas mencionadas acima, no caso de importar um carro com um motor a combustão ou um carro híbrido, ser-lhe-á ainda cobrado o valor do ISV (imposto sobre veículos).

Este imposto, pago uma única vez aquando da primeira matrícula do carro em solo nacional, é calculado em função do ano da viatura, da cilindrada e das emissões de gases poluentes.

A título de exemplo, se quiser importar um Audi A6 de 2014, com um motor diesel de 2000 de cilindrada e 190 cavalos, que emite 122g de CO2 por cada quilómetro percorrido, terá que pagar 5256€ de ISV.

E, é aqui, que os veículos eléctricos ganham uma grande vantagem sobre os restantes automóveis, movidos a outros tipos de energia.

Ao importar carros eléctricos, o cidadão está totalmente isento de pagar este imposto, uma vez que este tipo de automóveis não possui qualquer cilindrada, nem tampouco emite quaisquer gases poluentes, permitindo-lhe assim poupar vários milhares de euros.

Também os carros eléctricos, por enquanto, estão totalmente isentos de pagar o IUC (imposto único de circulação) que, no caso desse mesmo automóvel Audi que demos como exemplo, teria que pagar anualmente 255,71€.

A terceira vantagem de comprar carros eléctricos no estrangeiro e, posteriormente, importá-los para Portugal prende-se com a questão da oferta.

Alguns países europeus, nomeadamente os países do norte da europa, como a Bélgica, Holanda, Alemanha ou Noruega registam anualmente vendas de carros eléctricos bastante superiores às registadas em Portugal, sendo que na Noruega mais de 50% dos carros vendidos em 2017 eram carros eléctricos.

Nestes países, é habitual as pessoas mudarem de carro a cada 4 anos, ao contrário de Portugal que é o país da europa ocidental com o parque automóvel mais antigo (12,5 anos é a média das mais de 5 milhões de viaturas a circular em território nacional).

Como nestes países a procura é maior, a oferta é também maior, podendo assim encontrar o carro eléctrico dos seus sonhos mais facilmente.

E, agora que já sabe que as vantagens são mais que muitas, se está à procura de um carro eléctrico, não hesite em aventurar-se a ver o que existe por aí. Talvez encontre um excelente negócio!

Leia também:

Vale a pena importar carros eléctricos?
Gostou deste artigo?
Redes sociais:
Dúvidas no Standvirtual?

Aceda à secção de Ajuda

211 450 361 * * Dias úteis das 09h às 18h